quarta-feira, 6 de abril de 2005

Lendas

Desde pequena que senti um fascínio enorme por histórias de fadas e lendas. Com a idade estes entusiasmos acalmam um bocadinho - ai! até parece que sou velha! Não é que goste menos, mas a inquietação da descoberta foi substituida pelo deleite que trás relê-las.
Seja lá como for, acho que as lendas fazem parte do nosso património, constituêm parte da nossa identidade. Fazem parte daquilo que somos. E tenho a veleidade de pensar que ficamos mais completos se as conhecermos e mais ricos se as compreendermos e aprendermos a gostar delas.

Não sou muito adepta de transcrições neste blog. Não foi para isso que o criei; foi tão só e apenas para dizer o que sentia em cada momento, sobretudo naqueles em que não convém - ou não serve de nada - dizê-lo a quem está por perto. Mas, às vezes, e esta é umas dessas vezes, achei que podia muito bem transcrever uma lenda. Faço-o sobretudo para uma minha priminha, que também gosta de fadas - a lenda que se segue é dedicada à Matilde - mas faço-o também para abrir o apetite a outras pessoas que a possam ler. Num mundo cada vez com menos referências, acho que são pequeninas coisas como estas, que constituem a nossa herança, que nos dão identidade.

Esta lenda, não é a mais bonita que conheço, mas escolhi-a porque foi criada por pessoas da família: minha e da Matilde.
Foi criada no seio da família dos Senhores da Biscaia - os Haros - uma das famílias de onde descendem os Lemos. E fala de uma, obviamente inventada, origem sobrenatural desta linhagem. É chamada a Lenda da Dama do Pé de Cabra, e conta como o Senhor da Biscaia andava a caçar num seu bosque e lá encontrou uma mulher lindissima com quem casou e de quem teve dois filhos, um menino e uma menina. E conta também como foram felizes no seu castelo até ao dia em que essa dama sumio por uma frincha do castelo com a filha.
Passaram-se muitos anos sem que soubessem dela até que... [a partir daqui vou transcrever uma parte da lenda, tal como vem no Livro de Linhagens do Conde D. Pedro e editado pelo José Mattoso, porque acho que estas coisas devem consumidas o mais próximo posível do original]

... Despois, a cabo de tempo, foi este dom Diego Lopez [marido da Dama de Pé de Cabra] a fazer mal aos Mouros, e prenderom-no e levarom-no pera Toledo preso. E a seu filho Enheguez Guerra pesava muito de sa prisom, e veo falar com os da terra, per maneira o poderia haver da prisom. E eles disserom que nom sabiam maneira por que o podessem haver salvando se fosse aas montanhas e achasse sa madre; e que ela lhe daria como o tirasse. E el foi alá soo, em cima de seu cavalo, e achou-a em cima de ua pena. E ela lhe disse : "Filho, Enheguez Guerra, vem a mim ca bem sei ao que vees". E el foi pera ela e ela lhe disse: "Vees a preguntar como tirarás teu padre da prisom". Entom chamou uu cavalo, que tiinha, e disse-lhe que nom fezesse força polo desselar nem polo desenfrear nem por lhe dar de comer nem de bever nem de ferrar; e disse-lhe que este cavalo lhe duraria em toda sa vida, e que nunca entraria em lide que nom vencesse dele. E disse-lhe que cavalgasse em ele e que o porria em Toledo, ante a porta u jazia seu padre, logo em esse dia, e que ante a porta u o cavalo o posesse, que ali decesse e que acgaria seu padre estar em uu curral, e que o filhasse pela mão e fezesse que queria falar com ele, e que o fosse tirando contra a porta u estava o cavalo. E des que ali fosse, cavalgasse em o cavalo e que posesse seu padre ante si, e que ante noite seria em sa terra com seu padre. E assim foi.

8 comentários:

nadiasm disse...

Foi complicado traduzir esta transcrição para a minha filha entender! Ela perguntou o que é que aconteceu à mãe e à filha e também porque é que ela se casou, se não queria viver com ele.
Sabes?
Bjs,
Nádia

C_de_Ciranda disse...

Então.. e a dama do pé de cabra? E a filha? Está toda a lenda?

*** Ciranda

Margarida Atheling disse...

Não, não está a lenda completa. Este é só um bocadinho, ela é bem mais longa.

Eu sabia que ia ser muito complicado a Matilde entender. Ainda pensei fazer uma "versão infantil". Se calhar, quando tiver um bocadinho, é isso mesmo que vou fazer!
Eu depois conto-vos a história toda. Mas talvez não no blog.
Bjs!

Oumun disse...

Pois eu agora também fiquei curiosa.... era giro fazeres a versão infantil da lenda ;)

Filipa disse...

Olá linda,

Margarida, agora queria ver o final do filme...
Promete que voltas ao tema.

Beijos mil

Sofia disse...

Olá! Olá! A dama de Pé de Cabra! Gosto muito! Também gosto da de Miragaia e da fada melusina. Esta última adoro!
Olha, estou a rebentar de felicidade e, como és preguiçosa a ver maisl, uso este cantinho: é um menino! o meu pirilampo é um menino! acertaste no mail. E claro que vai crescer a ouvir hstórias de cavaleiros e sereias encantadas, que voam por cima de castelos!
beijos felizes
Sofia e Pirilampo (coimbra)

Márcia Lopes disse...

Olá Margarida,
passei para deixar beijinhos !!!!!

Porta-te bem.

Márcia

Vilma disse...

Margarida: Faz uma forcinha para poderes estar no blogonique! Gostava de te conhecer! :) Um abraço!