segunda-feira, 6 de junho de 2005

A menina

A menina tem os ombros estreitos e é tão clarinha... A menina tem ar de menina do Norte!

Não percebi se era um elogio, uma crítica ou uma constatação. Não me interessou. Irritou-me só um bocadinho o uso repetido do menina em tão poucas palavras.

Também não sei se há um ar do Norte ou do Sul. Não sei se há assim marcas nas pessoas.
Na verdade sei. Sei que as pessoas são diferentes. O que não sei é se há o tal ar.

Estas coisas são muito simples. Existem os genes e os genes marcam. Ora os genes são herdados, e não se importam com o sítio onde nascemos.
Ora é verdade, a menina não é cá de baixo, nesse sentido.
É do Norte sim. Mais do Norte da Europa e mais do Norte de Portugal.

Sete gerações cá por baixo não contam nada.
Toda a gente vinha para a Corte, mas Lisboa - que é uma cidade linda! - não marca ninguém. Vive cá toda a gente!
Tenho ascendentes de Lisboa, mas isso não marca. Os outros, a maioria, são realmente do Norte (os que não são de outros países). São de Barcelos, e de Braga, de Caminha, da Póvoa, da Trofa...
Ora, suponho que sim, que a menina é do Norte.

A menina continua a ter primos em décimo grau, e mais afastados, lá por cima. Continuamos a visitar-nos como se fossemos primos direitos. E os primos, dos primos.
A menina continua a fugir lá para cima, quando pode. E a ter cada vez mais vontade de não regressar cá abaixo.
A menina dá-se melhor com o clima e as pessoas lá de cima. Bem mais directas, mais alegres, muito mais familiares...
A menina só tem sentido de orientação lá. Cá por baixo até perde o lugar onde o carro está estacionado!
A menina apanha a pronúncia do Norte num abrir e fechar de olhos. E sabe-lhe bem falar assim porque lhe sôa mais doce.
A menina retarda a vinda para baixo o mais que pode. Sempre! Até ao último dia, à última hora, ao último minuto. Com culpa também de quem me acolhe por lá, é verdade. Insistem para que fique, de vez! E algum dia fico!
Ora a menina é do Norte, sim senhor! O B.I., afinal, não conta nada!
E agora, a menina, vai mas é trabalhar que tem uma quantidade de coisas acumuladas, mesmo aqui, à minha beira!

16 comentários:

mel disse...

Uma mulher do Norte, sim senhora! De pêlo na venta! É assim mesmo,a miga Margarida!
Beijocas e uma boa semana!

P.S. Menina não me irrita mas deixa-me possessa, por exemplo, telefonar para uma empresa para obter algumas informações e a pessoa do outro lado - que não conhecemos, com quem nunca falamos e com quem apenas estamos a tratar de negócios - acabar todas as frases com "querida". Aconteceu-me na semana passada e... odeio!

Vilma disse...

Olha, Sábado disseram-me que pareço uma mulher do norte. Quem o disse é do Norte e recebi como um elogio. Sou alentejana, com muito orgulho de o ser, mas do Norte, só tenho conhecido gente boa! tu és uma delas! um abraço!

nadiasm disse...

Pois nisto, minha querida prima, não nos identificamos mesmo nada (acho que é a 1ª vez, não é?).
Eu sou bem do sul...não apanho a pronúncia (por opção), não tenho ar e nem tenho genes (que eu saiba)...
Bjs

Margarida Atheling disse...

Ó minha prima, podes até não ter o ar.
Quanto às pronúncias, também as controlo. Só as reproduzo se entender, e confesso que acho graça!
Já meu pai apanha as pronúncias com uma facilidade que nem controla.
Quando viveu no Porto diziam-lhe que se via mesmo que era de Lisboa. quando voltou para baixo, chegavam a perguntar-lhe se era do Porto!

Mas lá que tens genes, tens!
Disso tenho a certeza!!!
Queres provas?! ;)

Bjs.

kikas disse...

Pelo post que acabei de ler nota-se que há muita vontade de ficar por lá!
beijinhos

Costinhas disse...

Também eu sou uma menina do norte e tenho muito orgulho nisso!

E aliás acho que deve ser por sermos do norte que consideramos primos, os tais familiares de 5ª ou 10º geração ou outro número que tal!

Biba as meninas do Nuorte!!!

hehehe

Beijinhos
Sandra

augustoM disse...

Não creio que seja uma crítica, mas sim uma constatação. O emprego da palavra menina, tem um significado diferente de senhora ou dona, é mais cerimonioso.
Um abraço. Augusto

nadiasm disse...

Esqueci-me de ter lembrar, porque sabes concerteza, que aqui chamam menina a toda a gente, mesmo a senhoras de 80 ou 90 anos...

Ana disse...

Oi! Só para dizer que o "Mamã à maneira" mudou-se para www.aminhafilhasara.blogspot.com e dá pelo nome de "Pequena Estrelinha"

OlhoVivo disse...

Rótulos e mais rótulos, como se isso fosse o mais importante, bahhhhhhhhhhhhh.Beijinhos :)************

Contas e Cores disse...

Eu cá sou menina da Beira!!!!:)

Sofia disse...

Eu também sou do Norte! Mas acho que isoo não interessa nada . Devemos estar é onde somos felizes!
bjs

Xuinha Foguetão disse...

Margarida,
já tinha saudades de visitar o teu cantinho!
E este post n foi mais a calhar, n fosse eu uma menina do Norte e n utilizasse tantas vezes a expressão "à minha beira"!
A maneira como o descreves diz tudo...
Eu já conheci pessoas espectaculares de todos os lados. Ainda neste fds conheci pessoas que moram em Lisboa 5 estrelas! Adorei!
Mas as pessoas do Norte conseguem ser mais directas, alegres e muito mais familiares!
Quado voltares cá, avisa e vamos tomar um café! :)
Beijos grandes!

Sara MM disse...

É que nota-se mesmo!!! E eu adoro notá-lo! Em ti, nos meus pais - ela de cima mas ele de baixo - nos sogros, e primos e tios e avós "adjacentes"....
Se não houvesse "os de cima" e "os de baixo" conhecer e estar com pessoas não tinha metade da piada!!
BJs da menina com metade-das-costelas-de-cima e metade-das-costelas-de-baixo!

Sara MM disse...

Quanto ao "menina" repetido... lá em cima é sinal de respeito e cerimónia, bem sabes!!
No fundo era paninhos quentes no elogío descarado!
BJs à branquinha ;o)

Kwan disse...

A gaja (menina é no Sul) é do Norte, carago! ;)