quinta-feira, 13 de janeiro de 2005

My Scotland...again...

Continuo a ter o hábito de ouvir rádios da Escócia. Mesmo que muitas delas sejam um bocadinho naifs. Sinto-me mais aconchegada.
Tenho bem noção do temporal que tem passado por lá: a chuva, o vento fortíssimo, as árvores caídas, as falhas no fornecimento de energia, os combóios parados, as pessoas mortas...

Num dia como o de hoje, cinzento, devia ansiar pelo Sol. Mas por mais que eu goste de dias risonhos e iluminados, sinto muita vontade de estar lá, onde há temporal, frio e dificuldades.
A este sentimento, pouco racional, diga-se de passagem, junta-se um outro factor: a proposta de uma instituição de Edimburgo para fazer exactamente o que mais gosto de fazer.
Eu sei que agora não posso, sei que, não tendo recusado, acabei por adiar a decisão. Mas hoje - hoje, mais do que nos outros dias - sinto uma grande vontade de fazer as malas e ir para lá.
E não é que as coisas me estejam a correr mal por aqui, que até nem estão! Mas não consigo deixar de sentir isto; como se fosse um chamamento!

Mas existem compromissos por aqui. Compromissos sérios. Demasiado sérios para lhes virar as costas.
E também existe uma outra coisa, recente (ou melhor: que reapareceu muito recentemente) mas muito forte: o apelo da maternidade. Não para já, mas para um futuro relativamente próximo. E não é de frequentar babyblogs. O contrário deve ser mais provável.
Para isso é necessário um pai, e existe alguém disponível, o V. Também é preciso que fique claro que não o estou a encarar como reprodutor! O que se passa é que ele existe. Estamos a dar-nos bem, é um potêncial companheiro e pai. Não fazia sentido agora virar-lhe as costas.
Já bem basta o que ele se queixa por eu ocupar demasiado tempo com o trabalho! Ontem, coitado, desesparou!

Pode parecer patetice, e se calhar é. Se calhar amanhã já não me sento assim.
Ainda que a vontade de ir para lá ou, pelos menos, de passar um tempo lá, esteja sempre presente, ela não costuma interferir com o meu dia-a-dia, como está a acontecer hoje.

5 comentários:

Someone Here disse...

Humm... Se calhar amanhã essa vontade passa! Logo agora que as coisas começas e mudar por cá. Não deixes um passarinho abandonado num ninho quando ele acabou de nascer!
Beijocas.

Filipa disse...

Olá Margarida

Muito sinceramente? Numa escala de 1 a 20, eu dar-te-ia 21 para a construção de texto do teu blog. Muito bom mesmo.

Beijos

http://avidadaprofessorinha.blogspot.com/

InêsN disse...

Gosto de te ler...e gosto de saber que as coisas estão a correr bem com esse moço...
Um beijinho grande!!
Inês

Sara MM disse...

Olá.
Nem dá para imaginar que possas sentir a falta de céu cinzento e de frio ... Mas é natural que a terra mãe (que só hoje percebi qual era) chame por ti... Mas espero sinceramente que o teu mais-que-tudo consiga chamar ainda mais forte! Para que sejam muito felizes e que esse amor se complemente com um filhote.
BJS

Anónimo disse...

Olá Margarida, antes de mais obrigado pela tua visita. Gostei do teu blog e vou voltar!
Ai, o coração! Faz com cada partida... e depois entra o cerebro em conflito... sempre a querer ser o primeiro... e depois aqui ficamos nós... sem saber o que fazer... ou se aquilo que sentimos está correcto... Lembro-me sempre daqueles bonecos em que aparece o anjo bom e o anjo mau e depois andam sempre em conflito a ver quem consegue levar a sua avante! Beijocas. Rita (http://asminhascamelices.blogs.sapo.pt)