sábado, 14 de maio de 2005

Em mudanças

Não tive uma adolescência problemática. Cresci, simplesmente.
Não houve dramas nem crises. Só ajustamentos e descobertas.
Não foi fácil, porque nunca é. Mas não foi difícil. Longe disso!

Não dei reviravoltas. Não tive que me redescobrir.
Não mudei de estilo, nem de amigos, nem de gostos. Cresci.

Agora, já crescida, e depois de algumas coisas - de uma coisa - que não devia ter acontecido, respiro fundo e estranho-me.
Definitivamente, mudei, ou estou a mudar.
Ou, se calhar, esqueci-me de mim por uns tempos, e já não me lembrava.
Ou as duas coisas.

Dou por mim a olhar para as minha mãos como se não fossem minhas, ou para as pontas dos cabelos como se nunca os tivesse visto. E, no entanto, não é uma sensação má.

Mas estranho também os sentimentos e as sensações.
Olho para as nuvens de trovoada, grandes e brancas, como se nunca as tivesse visto, para o Sol, para as flores e as árvores.
A sensação de liberdade de um galope a rédeas soltas ou uns mergulhos num mar bravo.
Estranho sentimentos como se nunca tivesse sentido nada antes e, apesar disso, lembro-me de tanta coisa.

Não mudei no essêncial. Tenho os mesmos valores e os mesmos gostos. Conservo alguns amigos, mas desenvolvi afectos por outras pessoas.
Reajo de maneira diferente a várias coisas e, sobretudo, sinto de uma forma diferente.

Não foi hoje, nem ontem. Deve estar a acontecer desde os últimos meses, ou do último ano, ou um pouco mais. Mas foi um processo lento e progressivo. Uma coisa que foi crescendo, que só agora se sente. Tanto que não dá para ignorar. Como se fosse um acordar muito, muito lento.

Não estou com tempo para reflexões. Ou talvez nem queira fazê-las!
Está a agradar-me esta sensação de que tudo é novo. Até coisas tão simples como a sensação do vento na pele. Acho que vou deixar estar. Fechar os olhos e deixar-me levar.

5 comentários:

Rita disse...

Engraçado... Esse texto poderia ter sido escrito por mim. Não desse jeito tão bonito como só tu o fazes, mas na essencia o conteúdo seria muito semelhante.
Também estou a gostar de me sentir assim e de me redescobrir!
Beijocas grandes e bom fim-de-semana!

Kwan disse...

É bom, nao é?

cate disse...

E é tão bom quando isso acontece.. deixarmo-nos levar...
beijinhos grandes e bom fds
cate

Márcia Lopes disse...

Olá Margarida,
quanda a sensação é boa, porque não deverias deixar-te levar ????
É bom quando nos sentimos bem e felizes.
Beijocas e bom fim de semana.
Márcia

Sara MM disse...

Tudo pode acontecer! O único facto incontornável é que a idade avança e... tudo pode acontecer! E pode fazer-nos sentir qualquer coisa... tudo!