segunda-feira, 25 de junho de 2007

A minha amiga C. diz...

... diz, uma coisa que é muito dela.



Atribui quase sempre, e de uma forma automática e instantânea, todos os meus estados de espírito, flutuações de humor, tomadas de decisão, manifestações da alma, evoluções, suspiros, risos, lágrimas, gargalhadas, cansaços, vontade para ir às compras, dias em que tenho mais sono, noites em que tenho insónias, apetite para cozinhar, determinações, hesitações, a forma como me sento na cadeira ou me estendo no sofá, músicas que ouço, e as que não ouço, espirros, momentos de preguiça e ocasiões de grande actividade, livros que leio, ou os que vou deixando na cabeceira, mergulhos no mar, olhares para as estrelas, o mais súbtil dos gestos, etc, etc... a uma única pessoa.

Ora essa pessoa a quem ela atribui tudo isso, dependendo dos [meus] momentos, umas vezes com quase veneração, outras com uma animosidade que só não me assusta porque existem uns quilómetros a separá-los, não pode com este peso todo. E não pode porque não é humanamente possível carregar tamanho peso, não pode porque não é justo, e não pode porque não é verdade. Que não há ninguém no mundo que posso ser responsablizado por tudo na vida de outra pessoa. Nem mesmo quando são coisas boas. Se nós nem pelas nossas próprias vidas nos podemos responsabilizar em absoluto; há tantas coisas que nos fogem ao controlo...
Não pode, porque eu digo que não pode.
Há pessoas que nos mudam a vida, mas não podem carregá-la às costas.
Livra, C.! Entendes agora, já que não me ouves?!



16 comentários:

Alecrim disse...

LOL. Entendes, Catarina?!

Miguel disse...

Ouviste, C.?
De quando em vez não será por essa pessoa, ok? Se ela diz...
;-)

Piquinota disse...

às vezes não somos capazes de cortar esse cordão com algumas pessoas! Mas só nós temos a capacidade de o fazer... e só o conseguimos quando estivermos preparados...
Possivelmente ela ainda não está preparada!


Jinhos

Costinhas disse...

:)

beijos

Clara disse...

Sobre isto...já sabes o que penso.

Xuinha Foguetão disse...

Essa pessoa merecia um post destes.

Beijos Maggy.

Anónimo disse...

Entendi sim. Foste muito clara.
Aliás, andam muito sintonizados! O que é bom pra vocês, e o que é bom para ti deixa-me feliz. Tenho dito.

Beijos

Catarina

Margarida Atheling disse...

Alecrim: percebeste logo quem era a C., não foi?! é inconfundível! :)

Miguel: se eu digo... é porque é asim. de vez em quando, não é. :)

Piquinota: mas ela não tem qualquer ligação com essa pessoa.

Costinhas: para ti também! :)

Clara: sei sim. muito bem. :)

Xu: não querendo pesar "merecimentos", eu acho que eu merecia um post destes. é que já estava para lá de cansada de me ver observada e avaliada em cada gesto e em cada palavra, dita ou calada.
e é verdade: ninguém pode carregar a vida de outra pessoa às costas. já vistes a quantas influências somos sujeitas durante um só dia, quantas questões de natureza diferente esbarram connosco?!
claro que há pessoas que, porque têm mais importância para nós, têm a faculdade de tornar mais leves e menos importantes os problemas que possamos ter, mas não se pode atribuir tudo a uma só pessoa.

Catarina: ainda bem! eu sei - mesmo! - que a intenção é boa mas... acredita que chega a ser sufocante.
andamos?! outra conclusão tua está visto. :)
(pergunta de retórica. não precisas responder.)

Clara disse...

Catarina, um dia temos uma conversa sobre isto e explico-te a minha teoria sobre a coisa (que eu tenho que ter teorias sobre tudo)

Clara disse...

Ah e Margarida, não querendo agoirar, parece-me que o teu post não a convenceu, de todo.

Margarida Atheling disse...

Ui, Clara! Se vais ter uma conversa com a Catarina sobre isto já sabes que vai ser até o Sol nascer. No mínimo!

Teoria?! Achava que era um palpite, uma opinião, uma coisa assim.
Se é uma teoria a coisa "fia mais fino". ;)

Mas tu sabes que é verdade. Que há outras coisas que me afectam, no bom e no mau sentido. Aliás, como a toda a gente.

Eu estava a ver se me convencia que ela ficou convencida! Ela disse que sim.
Veremos!

Anónimo disse...

Está esclarecido! Está esclarecido Gui!
Eu tenho cá a minha opinião mas entendi o teu ponto de vista e até lhe reconheço pertinencia. É verdade que o que não falta a toda a gente são assuntos de trabalho, assuntos familiares, assuntos de afectos, e por aí fora. Tu ainda consegues juntar os de trabalho aos famíliares o que é só para pessoas com folego. Gabo-te a resistência mas aplaudo a tua decisão de te mudares.

Clara, temos de combinar isso então! Eu também tenho a minha, mas a minha teoria deve ser mais "teorizada" do que a tua. Tu tens forçosamente mais "material de estudo" do que eu. Palpita-me que a nossa Margarida devia fazer-te pouca companhia mas isso, lá está, é mesmo um palpite meu.
Se a Margarida fosse menos discreta dava menos azo à criação de teorias, assim somos obrigadas a tecer cenários.

Anónimo disse...

Esqueci-me de assinar, mas o comentário anterior é meu.

Beijos à Margarida e à Clara

Catarina

Xuinha Foguetão disse...

Maggy,

não podia estar mais de acordo ctg...
Acho que tu tb merecias um post destes.
Mas continua a achar q ele tb. Ahahahahaha!

E é constrangedor quando 3ºs conseguem influenciar a relação entre duas pessoas e até às vezes conseguem mudá-la ou desgastá-la.
Acho que isso estava prestes a acontecer.

Ninguém mesmo pode carregar a vida de outra pessoa às costas, ninguém a não ser nós mesmos, só nós temos esse poder.
Há pessoas que nos ajudam, que nos orientam, que nos dão força, que nos fazem ver as coisas de uma outra forma, mas a nossa vida só muda se nós quisermos, se estivermos dispostos a isso.
Há pessoas que pintam a nossa vida de cores alegres, mas só conseguimos ver essas cores e essa vibração se nós quisermos.

Acredito que essa observação e essa avaliação cansem.
Gabo-te a paciência.
Já tinha explodido mais cedo.
:)

Feitios!

Da mesma forma que acredito que a tua amiga queira o melhor para ti...

Beijos grandes e uma beijoca para a Catarina

Margarida Atheling disse...

Xu; também, também! Merece sobretudo que lhe dêem descanso. Que para fazer o contrário já existo eu (de vez em quando!), tadinho! ;)

Eu gosto muito da Catarina, ela sabe e nem precisa que o diga aqui; sei que ela é muito minha amiga e que, óbviamente, quer o meu bem; mas é de dar em doida ouvir sempre atribuir a essa pessoa toda e qualquer coisa em mim. Se partir uma unha, também deve ter sido ele, nem que seja por telepatia!
Desesperante! E desgastante também!

Eu já explodi várias vezes, que eu também tenho cá um feitiozinho levado da breca, mas como ela acaba por voltar ao mesmo, descarreguei agora aqui com a esperança que ler surta mais efeito que ouvir.

Bjs, Sr.ª Dona Xu!

Xuinha Foguetão disse...

Boa sorte!

Beijocas grandes, Maggy